Ilha

ILHA

Na maresia revolta onde me perdi distante
Amei sereias num silêncio desconcertante
E por entre espessas algas e seus enleios
Saciei desejos fúteis e perversos devaneios
Quando encalhei na ilha deserta
Com uma ferida purulenta e aberta
Adormeci no areal fervente e vazio
Cansado daquele mar outrora bravio
Fechado na concha pesada, castigadora
Acariciei a pérola macia e encorajadora
Mas era tarde demais para arrependimentos
Desesperados choros ou inúteis lamentos
E os sinais de fumo em céu aberto não me salvaram
Porque o mal estava feito e as marcas por lá ficaram

©Balthasar Sete-Sóis

Publicado no livro Areal, Maresia e Concha e em:

http://pastelariaestudios.blogspot.com/2018/06/passatempo-areal-maresia-concha_4.html?m=1

Categories Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close