Todos os homens que não conseguem ver com os olhos de uma mulher são tolos. E eu, durante todos aqueles anos em que estivemos juntos, nem com os meus próprios olhos consegui ver-te.

Tu sempre soubeste que eu não era o homem da tua vida, mas, no início, achavas piada a este meu jeito desajeitado, a esta minha rapidez rara de pensamento, tantas vezes estagnado e a esta minha sensibilidade, quase sempre gelada.

Trombudo, macambúzio, dramático, inoperante, desinteressado, resmungão, stressado, alienado e, de quando em vez, muito bem-humorado.

Ciumento, doentio, desleixado por natureza, preguiçoso sadio e perfeccionista relaxado.

E, ainda assim, tu achavas-me piada.

Sentias-te protegida, incompreendida e mal-amada, mas ambos sabemos que não há nada melhor do que dormir acompanhada.

Um homem sempre ajuda, quando não atrapalha, e nas noites geladas de inverno, sempre te aquecia a cama, mesmo sabendo que o que apregoava não passava de exacerbada fama.

E, ainda assim, tu achavas-me piada.

Depois fui embrutecendo, gritando, criticando, exigindo, pressionando, perseguindo, controlando, grunhindo, desaparecendo do teu pensamento e tu logo cuidaste de soltar a vela assim que sentiste o primeiro ulular romântico do vento.

Hoje, já não me achas piada nenhuma, mas ris-te de mim, não porque eu tenha graça, mas porque percebeste que continuar comigo era pior do que cair em desgraça.

Artigo publicado no Repórter Sombra.

Raul Tomé ☀ Balthasar Sete-Sóis

About Raul Tomé ☀ Balthasar Sete-Sóis

Raul Tomé é licenciado em Sociologia, Mestre em Ciências do Trabalho e Relações Laborais e Pós-Graduado em Políticas de Igualdade e Inclusão.
Ex-cronista do Jornal Negócios, autor e co-autor de artigos científicos, colabora actualmente com a revista Repórter Sombra.

Poderá gostar também de...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *